Últimos assuntos
Parceiros








Fórum AG


Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Mensagem por Rayana em Dom Jun 23, 2013 10:57 am




O melhor título seria «como eu acho que os personagens de Digimon Adventure se encaixariam na estrutura cabalística e na base da teoria do monomito do Joseph Campbell», mas ok...

Se precisarem de uma imagem com legendas, cliquem aqui.

Malkuth: Jou Kido. Associado ao mundo profano, as suas tradições e regras sociais. Ele começa como um personagem de mentalidade fechada, séria e metódica, condicionado pelas convenções (obsoletas ou não) que os adultos lhe ensinaram. Mas Jou representa ainda assim a entrada no templo, Malkuth, o Reino, a base do pilar central, o Pilar do Equilíbrio. Esta é a raiz que sustenta a árvore da vida. O digimon do Jou tem uma personalidade oposta à dele. Gomamon é brincalhão e altivo e vai ensinar o Jou a encontrar o lado subtil e divino desta emanação. Juntos aprendem e equilibram-se mutuamente. Jou é o mais velho do grupo mas, e apesar de inseguro, foi o primeiro a assumir as rédeas da liderança e a responsabilidade de tomar conta dos mais novos. Na jornada dele, Jou aprende a ser mais confiante, a orientar o seu espírito diligente, trabalhador e disciplinado para as causas certas. Recebe o Brasão da Confiança/Lealdade/Honestidade (nunca sei que tradução usar...). É Jou quem indica Taichi para líder e identifica-lhe a responsabilidade enquanto herói solar (o que poderia colocá-lo em Yesod), mas Jou não se acomoda com isso e continua a sua própria jornada depois. Ao ver o sofrimento do Mundo Digital, decide continuar o seu caminho e ajudar pessoas.

Yesod: Mimi Tachikawa. É a energia lunar feminina que está em comunhão com a natureza. Associada às deusas mãe-virgens. É a esfera das princesas dos contos de fada que são salvas pelos heróis. A energia das fadas-raínha e deusas da intuição e ilusão como Morpheus ou Ceres. Mimi era muito ingénua e egoísta, mimada, temperamental. Aprende a preocupar-se mais com os outros do que consigo mesma. Torna-se uma verdadeira mãe que cuida dos feridos, fracos e oprimidos, purificando-se dos desejos e da mente egoístas. Acordou da ilusão do conforto e da estabilidade. Tratou das feridas de Ogremon, mesmo sendo um inimigo, e convertou-o graças a esse gesto de humildade. Mimi tem o brasão da Inocência/Pureza, e Palmon é basicamente um elemental da floresta; evolui para uma fada, Lilimon. Decidiu separar-se do grupo do Taichi, afastando-se das lutas e do sofrimento, para seguir um caminho diferente de dedicação ao próximo.

Nalgumas tradições esta energia não é a princesa. Por vezes é o personagem que faz o herói solar entrar no 'mundo mágico' e o convida a viver a aventura. É a energia que força o herói a 'despertar'. Na trilogia de Matrix é Morpheus que chama o Neo, o Escolhido («the One»). No Hobbit, Bilbo é convidado para uma aventura pelo Gandalf. É esta a ideia…

Hod: Yamato Ishida, o mensageiro e a voz de todas as preocupações do grupo, associado a mercúrio, a Razão. Outras pessoas poderão associar Hod ao inteligente e diligente Koushirou. Eu coloco o Yamato aqui porque acho que ele tem um papel muito mais importante na evolução do herói solar, o Taichi. Yamato assume a mesma função de provocador e professor ao mesmo tempo - é aquele que questiona os limites do herói solar e o desafia a sair da sua área de conforto. Yamato espicaça o Taichi incidentalmente, luta contra ele e testa a fé que ele tem na missão de salvar o Mundo Digital. Obriga-o a refrear as suas atitudes impulsivas para pensar no bem colectivo. Yamato é o escolhido do brasão da Amizade, mas questiona até mesmo isso e não descansa enquanto não percebe porquê. Mesmo quando percebe o motivo, Yamato decide salvar o Mundo Digital porque assim o quis, e não porque acredite em 'destino'.

Hod é a esfera de deuses como Loki, Prometeu, Hermes e derivados. Se repararem, as histórias de todos eles têm em comum a sina de trollar os Deuses Solares. Mas isso não acontece sem razão; é que geralmente esses deuses solares aprendem alguma lição no processo.

Netzach: Sora Takenouchi, a escolhida do brasão do Amor, associada a Vénus, à Intuição. De personalidade matura e carinhosa, Sora é também a mulher amazona, guerreira, a 'mãe do grupo' que acalma as discussões, embora ela mesma tenha impulsos emocionais imprevisíveis (muito mais sérios e pesados do que a Mimi imo). O parceiro dela é Piyomon, associado ao elemento ar e fogo (apesar de Netzach estar associada a deusas da água, Crowley associa esta esfera ao elemento ar, quente e húmido na alquimia). Ela é também masculina e protetora, não é mulher que goste de parecer frágil e delicada. Não é à toa que está na base do pilar da Misericórdia.

Se Hod é o poeta, Netzach é a musa que o inspira. Se Hod é a esfera dos deuses audazes, Netzach é a esfera das graças e das ninfas que os seduzem. Se Hod for o Marinheiro, Netzach é a Sereia encantadora que o tenta. De um lado é o músico, de outro lado é a fonte de inspiração feminina. A Razão e a Intuição têm que estar juntas, pois são duas energias sem as quais o herói solar será incapaz de domar os seus dragões e de vencer a jornada. Por isso, não é invulgar que os personagens que simbolizam Hod e Netzach casem no final da história. Acontece com Ron e Hermione de Harry Potter. Simplesmente. é. inevitável. (Não tem sempre que dar em matrimónio, mas na maioria das vezes é suposto que os dois tenham uma relação atracção e repulsão) A questão aqui é que a Sora e o Yamato também se casam no final.

Tipheret: Taichi Yagami, o protagonista, o herói solar. Inicialmente queria apenas voltar para casa, como todos os outros personagens, mas assim que Leomon lhe explicou quem eram as 'crianças escolhidas', Taichi foi o primeiro a responder ao chamado e a aceitar a jornada. Tem o brasão da Coragem que (coincidência?) tem por símbolo um pequeno sol laranja. Já mencionei que Tipheret é a esfera do singo de Leão na Astrologia? Deuses como Krishna, Mithra, até mesmo Jesus e Buda? Tudo isto é baseado na teoria do monomito do Joseph Campbell, claro. Herói Solar, sem dúvida. O parceiro é um dinossauro rox que controlar o elemento fogo; mais tarde ele evolui para War Greymon, o matador de '-dramons' (dragões). É o príncipe que salva princesas do castelo (ou da pirâmide, né xD). Esta aventura no Mundo Digital permite que o Taichi evolua de uma criança impulsiva e ingénua para um verdadeiro líder, que aprende a importância de equilibrar razão com emoção, e que se sacrifica em prol de uma causa maior.

Geburah: Koushirou Izumi, o Poder, ou o Julgamento. Tenho lido que esta esfera é pouco compreendida mesmo para alguns ocultistas. Tem a fama de ser «cruel», pois geralmente é representada por deuses guerreiros e que têm pouca capacidade de empatia. Bom, o Koushirou é frio e calculista, e é verdade que ele se preocupa mais com factos objectivos e concretos, mas a razão por que ele faz isso é para colocar essa informação ao serviço das missões. Koushirou, como Geburah, é predominantemente racional e lógico e funcional, mas por boas razões. Com ajuda do computador dele, recolhe dados sobre o mundo digital e é capaz de ficar horas a estudá-las, sempre sob orientação de Gennai (Chesed), de modo a equipar Taichi e as crianças com as armas necessárias para enfrentar o perigo. Não importa quão duro seja, a disciplina é uma coisa que incomoda, mas que é necessária. De outra forma, a missão do herói solar fracassaria completamente. Apesar de passar despercebido e de não se manifestar sempre, o Koushirou está sempre presente; todos precisam dele. É um dos melhores amigos do Taichi e nunca o abandona. É o Koushirou quem 'fornece' ao Taichi o conhecimento sobre as «dramon killers» do War Greymon, as armas que permitem destruir digimons do tipo «-dramon» como Mugendramon e Metal Seadramon. Estou a dizer isto porque Geburah é a esfera dos deuses que criam armas, aqueles que forjam espadas mágicas, escudos e elmos (Vulcano, Agni, Marte…). É aqui que estão todos os deuses da guerra, os grandes estrategistas e forjadores de armas mágicas.

Chesed: Gennai, o velhinho sábio e orientador da jornada das oito crianças escolhidas. Na sua primeira aparição, Taichi acusou-o de não ser confiável por dão dar respostas concretas - ao que Gennai sorriu e respondeu que ele, pelo contrário, tinha absoluta confiança nas crianças. É também Gennai quem explica a Taichi os mistérios da evolução dos digimons e a necessidade de educarem as suas emoções, para que os digimons não percam o controle e se tornem auto-destrutivos. Apesar de tudo, no final, Gennai deixa claro que mesmo "evoluções negras" como Skull Greymon não são forçosamente maléficas, elas apenas não serviam os objectivos do grupo naquele momento. É também Gennai quem indica a existência da 8ª criança escolhida (Binah) e que é absolutamente necessário encontrá-la para a missão ter sucesso.

Daath: Todos os vilões e digimons maléficos que desafiam Taichi e as crianças a superarem-se para aprenderem os valores da Coragem, Amizade, Amor, Conhecimento, Pureza, Honestidade, Esperança e Luz. É o exercício destas virtudes que lhes permitem evoluir os digimons no processo e derrotar: Devimon, Etemon, Vamdemon e os Mestres das Trevas. Todos estes são representados pelo vilão final, Apocalymon. Daath é o Abismo, o desconhecido, e representa os medos do herói solar. Mas Daath também se torna a esfera do Conhecimento assim que a ignorância e as trevas deixam de existir, quando os nossos medos são domados e tudo o que estava coberto por trevas vem para a luz do conhecimento.

Quando as trevas deixam de existir é quando temos acesso à divina Trindade: Binah (Yin), Hochma (Yang) e Kether.

Binah:
Hikari Yagami, a misteriosa 8ª criança escolhida. É a energia que limita e dá forma à natureza expansiva de Hochma. Hikari representa o brasão da Luz, que eu acredito ser a síntese de todos os outros brasões juntos. Ironicamente, a parceira digimon dela fazia parte das forças das trevas: Tailmon foi uma das guerreiras e aliadas mais fortes do Vandemon, chegou mesmo a lutar contra as crianças. Tailmon junta-se a Hikari mais tarde, para derrotar Vandemon e lutar ao lado dos escolhidos. A Hikari é também a única pessoa capaz de transmitir as palavras dos seres invisíveis supremos do Mundo Digital através dos lábios dela. É uma espécie de médium (episódio 45) que explica a Yamato e a toda a gente como é que eles se tornaram "Crianças Escolhidas". É também a Hikari que explica a máxima taoista do Yin/Yang: "Luz e Trevas são apenas faces da mesma moeda", o que explica a natureza de Binah com Hochma. Tailmon evolui para Angewomon, que evolui para Ofanimon, representante da energia primordial feminina de Binah, associado a figuras como Eva.
Curiosidade: um dos ataques da Ofanimon é uma Cabala [link]. xD

Hochma: Takeru Takaishi. Se Binah é a energia de Eva, Hochma é a energia de Adão; Takeru tem por parceiro Patamon, que evolui para Holy Angemon e representa a energia primordial masculina, ao lado de Angewomon. Pessoalmente acho que o Takeru e Angemon têm também algumas características solares - Angemon sacrificou a própria vida para derrotar Devimon, foi renascer mais tarde. Ele luta poucas vezes, só surge em situações especiais, mas é o digimon mais poderoso do grupo. Takeru é o representante do brasão da Esperança (Fé?), e na sequência Digimon Adventure Zero Two, os brasões do Takeru e da Hikari são ambos considerados pelo deus-dragão barbudo Quinlongmon como "especiais" e "muito diferentes dos outros". Quinlongmon afirma que Luz e Esperança são a fundação da Digital World (Binah e Hochma também são a Fundação xD).

Kether: Seria o próprio sistema da Digital World, o 'deus' ou força divina, a profecia que escolheu as oito crianças e as chamou do Mundo Real (Malkuth) para a missão. Noutro prisma, pode também ser o Mundo Real, o 'lar doce lar' que as crianças tanto ambicionavam depois da jornada. Esta interpretação permite fechar o ciclo e já implica um novo começo. A esfera de Kether de uma árvore será a esfera de Malkuth da árvore acima.

Sinceramente, estive tentada a inverter as esferas da Hikari e do Takeru. Takeru seria Binah e Hikari seria Hochma, porque Binah está associada à Fé e Hochma é a esfera dos Ofanis. Mas também é verdade que Binah é muitas vezes enxergada como uma energia algo nefasta - um pouco associado com a imagem freudiana da 'mãe cruel'. Binah está no topo do Pilar da Severidade (Hod/Geburah/Binah). Parece-me que o passado negro da Tailmon e a aura misteriosa de Hikari, com as suas máximas taoistas de 'onde há luz também tem que haver trevas', combinam mais com a esfera obscura e muito pouco compreendida de Binah. Até hoje, Eva é considerada a 'fonte do pecado' por muitos cristãos (ela representa uma coisa bem diferente para os ocultistas... lol). E se vocês viram esta árvore, vão perceber também por que razão o Snape representa Binah. O nome dele é Severus (alô, Pilar da Severidade? A J.K.Rowling estava inspirada... lol).

Assim se explica, porém, que seja Takeru e Hikari a dar as suas flechas de Luz e Esperança aos irmãos (Taichi e Yamato), quando eles enfrentaram juntos "a besta apocaliptica" das profecias do mundo digital. Kether, Hochma e Binah são uma trindade e uma não existe sem as outras duas. Hochma é a emanação primordial de Kether. Por sua vez, essa energia explosiva Yang de Hochma vai receber forma na energia confinada e Yin de Binah (assim como o sémen masculino só recebe forma no útero da mulher). Daí resulta a Criação e manifestação de todas as outras esferas. Todas são emanação de Kether, a esfera mais alta, que corresponde ao divino supremo, mas só através da trindade, com Hochma e Binah.

Quanto a Mimi e a Jou, confesso que ainda tenho algumas dúvidas. Jou está associado ao elemento água e poderá de facto ter características de Yesod, porque é ele, com efeito, quem nomeia o Taichi para líder e passa-lhe a missão de ser responsável pelo grupo, digamos. De certo modo é também do Jou que vemos uma atitude de 'mãe protectora'. Além disso, Mimi tem uma digimon que facilmente está associado às deusas da agricultura; os egoísmos dela e a insistência em voltar para casa são também francamente intensos - mais do que todo o grupo junto. Fica difícil porque Mimi tem um episódio em particular onde se torna princesa do castelo dos Gekomons, e é Jou e Taichi quem vão resgatá-la juntos. Fica ainda mais ambíguo saber quem é Malkuth ou Yesod, porque Mimi e Jou separam-se do grupo (embora a iniciativa tenha sido da Mimi, jou acompanha-a para a proteger) e viajam juntos praticamente até ao final da série. Mimi nem chega mesmo a lutar. Mas enfim, fica apenas a ideia; não é para dar um cariz místico a Digimon Adventure, é mais um exercício de associação que, para mim, é uma forma de divertimento. xD
Xros posted aqui


Última edição por Rayana Wolfer em Ter Jun 25, 2013 7:39 pm, editado 3 vez(es)
avatar
Rayana
Ultimate (Kyuukyokutai)
Ultimate (Kyuukyokutai)

Comportamento : 100%
Feminino Mensagens : 1776
Data de inscrição : 19/08/2011
Idade : 29
Localização : Portugal
Mensagem Pessoal : Born to be wild.

http://rainbow09.comli.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Mensagem por Jyunirii em Dom Jun 23, 2013 6:41 pm

Eu fico pasma com os criadores do roteiro de Adventure, porque uma única história pode servir a inúmeras explicações místicas. Palmas para os estagiários daquela época! claps claps claps.

O legal é que faz sentido, em especial quando você pensa em quando eles lutavam para achar e descobrir porque diabos eles ganharam aquele brasão. Como sempre Ray, parabéns pela teoria, porque ficou bem feita e bem explicada.
avatar
Jyunirii
Moderadores
Moderadores

Comportamento : 100%
Feminino Mensagens : 1529
Data de inscrição : 04/08/2011
Idade : 21
Localização : West Shinjuku while I'm listening The Biggest Dreamer.
Mensagem Pessoal : Amigos ate que o Ryouki nos separe.


http://pixiv.me/033210

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Mensagem por Raninoyuuki Brunno em Dom Jun 23, 2013 10:45 pm

De algum modo você acha que tem como relacionar os escolhidos aos 8 chackras Ray?? se não me engano são 7 ou 8 chackras e cada um lida com sentimentos de abertura e bloqueios para cada um dos 7 ou 8 ...

Eles tem certas caracteristicas que podem se encaixar nos personagens de ADV tbm se formos prestar mais atenção...

Se você puder de alguma forma avaliar com cuidado e ver se tem algo a ver poderia rolar mais uma teoria nova e explicação nova pra os escolhidos , o que acha??

o que dizem do 3º chackra pra mim tem muito a ver com o Taichi ^__^ ...
avatar
Raninoyuuki Brunno
Baby 1 (Younenki I)
Baby 1 (Younenki I)

Comportamento : 100%
Masculino Mensagens : 34
Data de inscrição : 05/09/2012
Idade : 24
Localização : Paraiba-Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Mensagem por Rayana em Seg Jun 24, 2013 1:53 pm

Raninoyuuki Brunno escreveu:De algum modo você acha que tem como relacionar os escolhidos aos 8 chackras Ray?? se não me engano são 7 ou 8 chackras e cada um lida com sentimentos de abertura e bloqueios para cada um dos 7 ou 8 ...

Eles tem certas caracteristicas que podem se encaixar nos personagens de ADV tbm se formos prestar mais atenção...

...eu nem queria ir tão longe. 'xD Mas a Golden Dawn faz a associação dos chakras à árvore da vida, deste modo:




Kether = Sahasrara
Binah & Hochma = Ajna
Geburah & Chesed = Vishuddha
Tipheret = Anahata
Hod & Netzach = Manipura
Yesod = Svadhisthana
Malkuth = Muladhara

Basicamente é isto.

Eu quando coloquei a Hikari no topo da árvore, em Binah, pensei também nas catacterísticas do chakra Ajna, que está associado ao «3º olho», à intuição, à capacidade de sentir coisas do plano astral. É o chakra da iluminação e da imaginação, e é usado para... enfim, certas manifestações parecidas às do episódio 45.

Taichi associado ao 3º chakra, plexo solar/Manipura, até faz sentido... com todo aquele poder de fogo - principalmente no início da série.
Eu consigo associá-lo ao 4º chakra, Anahata, que fica acima, porque faz parte daquele Amor típico do herói solar - não é um amor erótico (Yesod/Svadhisthana), nem é um amor passional (Hod & Netzach / Manipura), mas sim aquele Amor fraternal, incondicional, com auto-sacrifício, para proteger uma causa maior. Não é nem mesmo amor platónico... é até mais do que isso. Aquele tipo de motivação amorosa, para proteger a humanidade, em defesa do que acreditamos ser o certo. Anahata significa «impossível de tocar» ou «impossível de atingir», só para vocês terem uma ideia.

Posso tentar detalhar, mas vindo de mim será mais do mesmo.
avatar
Rayana
Ultimate (Kyuukyokutai)
Ultimate (Kyuukyokutai)

Comportamento : 100%
Feminino Mensagens : 1776
Data de inscrição : 19/08/2011
Idade : 29
Localização : Portugal
Mensagem Pessoal : Born to be wild.

http://rainbow09.comli.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Digimon Adventure e a estrutura cabalística

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum