Presentch de niver da Mimi-san

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Presentch de niver da Mimi-san

Mensagem por Convidado em Seg Dez 17, 2012 9:02 pm

Eu ia postar, mas acabei esquecendo, então... Ela autorizou postar no fórum pra cês verem. Já que ela gosta de Mimato e eu não sei desenhar direito a Mimi ou o Yamato (ok, FOI PREGUIÇA MINHA.)

E, se tiverem algum problema de romance... Liguem imediatamente pra dupla de cupidos cabeludos que eles resolvem teu problema. (ou não).




Um e outro estavam sentados no banco do parque, olhando fixamente para uma certa moça de cabelo ruivos que estava a conversar com outra, na qual só podiam se encontrar nas férias de verão, quando esta outra jovem decidia “matar aulas” e ir passar o tempo com os amigos no Japão.

O loiro encarava o seu comparsa de brigas e de outros assuntos (claro, eram tão amigos... Mas um certo caso os fez ficarem mais “amigos-inimigos” um do outro. Ás vezes o Amor torna amigos em inimigos. Outras vezes faz com que percebam como raios foram estúpidos em deixar de lado uma amizade só por causa de uma mulher.)

- Você não vai dizer nada?! - o cabeludo quebrou o silêncio, tentando entender aqueles olhos azuis.

- Faz algum tempo que você e eu brigamos por causa dela. - e o loiro respondeu-o, com um tom ranzinza - Acha que ainda estou de bom humor para falar a respeito disso?

- Não te entendo mesmo. - praguejou Taichi - Estou conversando com a Mimi, aí aparece a Sora e depois você surge das sombras e me arrasta para longe delas. Se não quer falar comigo “ainda”, então por que diabos me trouxe para este banco?!

O Ishida não respondeu absolutamente nada. O silêncio reinou mais um pouco, com um olhar confuso e amuado do Escolhido da Coragem. Claro que, no fundo, Yamato queria falar algo... Mas o orgulho besta deste não o permitia. Ficava de birra mesmo! Como sempre fazia.

- Se não tem nada pra falar, vou-me indo. - Taichi levantou-se e olhou mais uma vez pro loiro - Falei pro Daisuke que ia assistir ao treino dele hoje. E se eu não for, minha caixa de mensagens estará lotada de mails daquele doido, perguntando o que aconteceu se estou bem se fui raptado por algum alien ou se estou fugindo da policia por ter assassinado alguém... Ah aquelas histórias sem pé nem cabeça que ele consegue inventar.

E o outro só fez um maldito beicinho de rejeição. Olhos azuis fixos no Yagami, fuzilando-o com aquele ar de invocado. Taichi não deu bola, já que não ia conseguir nada, nem arrancar o que estava selado naquela boca de superstar do loiro. Apenas deixou-o lá sentado, olhando para Mimi e Sora.

Ele bem que poderia se virar e brincar com Yama, ameaçando-o caso tocasse na Sora (aliás, era justo isso. Yamato e Sora brigaram, terminaram e o Taichi já tinha sabido daquilo. Houve uma briga feia e ambos amigos ficaram de cara amarrada por meses.), mas preferiu não fazer. O mal-humor do Ishida não iria compreender o tom de brincadeira e iria terminar em mais murros do que trolladas “gentis”.

Yamato ficou ali, sentado... Olhando para o pessoal do parque e ouvindo um pouco da conversa das duas escolhidas. Ambas citaram algo com “sair com a Hikari e Miyako”, “fazer coisas juntas” e outros assuntos femininos. O alerta vermelho (PERIGO) só soou quando a Tachikawa perguntou, na mais pura inocência do universo:

- Sora-san, e como vai você e o Yamato-san? Ainda estão juntos?

A ruiva ficou meio corada, mas não como resposta de “amor”. A Escolhida do Amor fez MUITO silêncio e isso despertou uma estranha curiosidade no xereta loiro ali do banco. Como sabia que ela ainda estava meio chateada com ele, pensou que aconteceria a mesma coisa que acontece quando a Takenouchi briga com o seu amigo maluco e de topete desafiador da gravidade:

“Ah o Yamato?! Aquele idiota do Yamato e eu terminamos, ele foi rude comigo várias vezes! Tivemos várias discussões e decidimos que o namoro não estava dando certo.”

Sim, a Sora tinha costume de, quando brava, chamar qualquer um de idiota. Taichi já tinha uns zilhões “idiotas” em sua lista de relacionamentos com a Takenouchi. Até que soava como um elogio tsundere pra ele, não afetando-o mais. E óbvio que ela não fazia aquilo por mal, e que era um costume típico das moças, quando chateadas, saírem a falar qualquer coisa que pipoca na mente. E ele (Tai), já sabia disso tão bem por conviver com Hikari. E ouvir o Daisuke reclamando da irmã ou de ver a Miyako xingando o Motomiya nos dias de TPM. Moças são difíceis, e piores quando estão mais bravas que um cão raivoso.

Só que, aquilo foi mera imaginação do Ishida. O que a Sora respondeu, na realidade, foi:

- Yamato...? Ele está bem. Nós terminamos depois de algumas discussões... Decidimos que deveríamos dar um tempo e pensar sobre o que aconteceu entre nós...

- Ah? Que pena - respondeu a outra, num tom de desânimo - Vocês faziam um belo par juntos. E com o tanto de meninas apaixonadas por ele...

- Acho que não soube controlar meu ciume também - Sora deu um pequeno riso, ao lembrar-se deste detalhe - Afinal, ele é famoso.

- Sim... famoso e pupular... desde o primário.... - falou uma Mimi encabulada - E... Eu... Ahn... Como posso dizer isso...? Acho que... Sora-san...

A ruiva levantou uma sobrancelha. Falar do Yamato não era lá tão “emocionante” assim... Ao menos falar de meninos era algo comum entre elas (com Hikari e Miyako também), mas a forma que ela reagiu...

- Mimi-chan? - uma interrogação veio a fazer a mais nova a olhar no rosto.

- Sora-san... Eu... Eu achava o Yamato-san bonitinho demais naquela época, mas... Nunca tive muita coragem de falar com ele... Até que fomos parar na Digital World... E nos conhecemos melhor... Mas eu me mudei para Nova Iorque e...

- Mimi-chan - Sora fitou-a seriamente nos olhos - Você gosta do Yamato?? - o tom firme da Takenouchi parecia encorajar a amiga. Mimi deu um pequeno sorriso tímido.

- Desde aquele tempo... - e ela finalmente conseguiu falar - Mas, quando soube que vocês estavam namorando, preferi não interferir. Não queria perder sua amizade ou a do Yamato-san.

Sora sorriu, e as moças continuaram a conversa... Mas um certo loiro, que ouviu aquilo...
Ele levantou do banco cautelosamente para que ninguém o visse ali e saiu correndo (não no literal) dali, pensando e repensando no que tinha ouvido da boca da Escolhida da Pureza.





- Belo lance! - um cabeludo elogiava a outro dono de uma senhora crina. O cabelo de Daisuke estava “a la Yamato”, na altura dos ombros, mas mesmo assim bangunçado e despenteado como sempre foi.

Este não respondeu, por estar extremamente concentrado e vidrado na bola que rolava pelo campo. O time dele, no treino, usava uma camiseta amerela por cima da do uniforme, e estava ganhando do outro. as habilidades do kouhai de Taichi melhoraram de uma forma absurda, depois de tanta dedicação e treino. Quando a bola parava nos pés do Motomiya, esta ia direto para a goleira.

E pensar que aquele garoto quando era mais novo, e quando entrou no time, era PIOR que o pior do time. Mais motivos para acreditar que o jovem conseguia fazer milagres acontecerem.

Enquanto o Yagami sentia-se orgulhoso daquele menino, apareceu um certo alguém e...

- Taichi preciso falar contigo. Agora.

… E deu um senhor susto no outro, que soltou um “YAMATO, DA ONDE SAÍSTE?!” e que fez, milagrosamente, Dai perder o foco no treino e bater de cara no muro da escola. os amigos do goggly boy mais novo correram até lá, perguntando se ele havia se machucado. Aquele montinho de pessoas ali chamou a atenção dos dois escolhidos mais velhos, que também foram lá.

- Quem colocou aquela parede no meio do caminho?! - resmungou Daisuke, como de costume.

- Ela sempre esteve ali desde que freqüentavamos a primeira série - cutucou Yamato, recebendo um olhar de desaprovação do senpai do menino. O loiro devolveu, e ambos ficaram com a cara colada um no outro.

- Ow ow, não vão brigar justo agora, ou vão?! - Daisuke bufou e apartou a briga com a ajuda de outros garotos do time - Tá, perdi a concentração e bati no muro. Não vão brigar só por isso, né?! Senpai, Yamato-san...

- Taichi. Eu... - Yamato balbuciou, ainda confuso - Eu ouvi algo que a Sora e a Mimi-chan estavam falando e...

- Ei, fofoca é coisa de garota - brincou o Motomiya, mas uns trocentos olhares fuzilaram ele.

- Como é?! Estava espiando a conversa da Sora com a Mimi?! - Taichi soou meio bravo ali - Não tinha mais o que fazer da vida não?!

- Senpai... Calma! - Dai tentou de novo apaziguar os dois lados - Vai ver o Yamato-san só ouviu por acidente, não de propósito... - e o garoto virou-se para o Ishida - Não foi??

Claro que tinha sido, mas ser reeprendido assim, pela “única” pessoa com quem podia contar ali, alguém que poderia sei lá, dar uma força... Era o doido do seu amigo de cabelo gigante. Yamato hesitou em continuar a converta, tentou retirar-se. Mas aquela coisinha de cabelos castanho avermelhados segurou-o pelo pulso.

- Yamato-san, aconteceu alguma coisa entre vocês dois...? E... Entre a Sora-san?

E por mais estúpido que pareça, por mais que este pirralho vivesse no mesmo condomínio que os três mais velhos citados, ele não fazia a MENOR IDÉIA do que tinha acontecido. E nem era do interesse dele, estava atarefado e cheio de tarefas exames testes etc para fazer a ponto de nem ter ido uma vez sequer visitar qualquer amigo dele. Estava sob um regime familiar rigoroso devido às suas notas. A mãe dele, mesmo que fosse uma doçura, não conseguia ser tão boazinha com o filho quando tratava-se dos estudos. Ela quem mandava na casa.

Resumindo: Daisuke não sabia do rolo que tinha acontecido meses atrás. Só agora.

- Eh?! Vocês terminaram?! - E este, por mais que alguém quisesse jurar que estava a fingir surpresa, era tão burro feito uma taipa. A ingenuosidade de Daisuke era uma bênção em certos assuntos... Mas em outros era considerado um burro mesmo. O treino já tinha terminado, e os três ficaram por lá, do lado de fora da escola, encostado no portão.

- Isso foi meses atrás! - Mas Yamato não entendia raios da inocência dele ou do regime que estava sofrendo.

- Ow, dá um tempo Yamato-san! - suspirou o goggle boy. Em seguida, começou a dramatizar - Não tou sabendo disso, estou sendo pressionado pela ditatura da minha mãe por causa da minha nota em exatas. Matemática nunca foi meu forte e essa matéria está arruinando as outras, como química física... E a própria vilã da minha vida escolar! Não vejo o Ichijouji faz séculos! Nem posso conversar com o senpai, Hikari-chan, Miyako ou Sora-san! A única forma de sair da prisão é os treinos, que a ditadora não pode proibir por também contribuir com minhas notas em educação física. Oh, vida cruel que estou tendo nestes últimos meses! Quando que irei ver a luz do sol mais uma vez?!

- Daisuke, você anda lendo muita poesia ultimamente - cutucou o Yagami, rindo ao final da frase.

- VIU?! ESSES LIVROS ESTÃO ME FAZENDO ESQUECER QUEM EU SOU! - e o mais novo prosseguiu o script da encenação - Ser ou não ser? Eis a questão.

Taichi caiu na gargalhada enquanto o Yamato só olhava para ele. Não achou graça da piada, e tinha? Ao menos pro Dai e pro Tai sim, e estes pareciam dois idiotas rindo de uma história totalmente dramática e exagerada.

- Já acabou com o tearo...? - reclamou o loiro.

- Bem, eu não fiquei sabendo por estar de castigo - logo Daisuke notou que Yama não gostou e decidiu encurtar a conversa - Até segunda ordem, só posso sair para os treinos e mais nada.

- Lembro quando minha mãe fez isso comigo... - comentou Taichi, atropleando o que Yamato ia dizer logo em seguida - Se não me engano, fiquei parecendo o Koushirou. Quase ninguém entendia o que estava falando... A não ser ele, claro.

- Taichi, eu queria falar contigo - Yamato insistiu, com um olhar sério ao Escolhido da Coragem.

- Ah? Horas atrás estava todo calado e me ignorando - provocou-o - Aí venho assistir ao treino do Daisuke e você aparece que nem assombração, parecendo estar com ciúmes.

- Ciúme...? - uma veiazinha alastrou na testa do Ishida - Não tenho ciúmes.

- Aham... - pirragueou o Motomiya, intrometendo-se na conversa - Digo... O que houve, Yamato-san?

- N-Não é da sua conta!

- Não precisa tratá-lo assim - bronqueou o Yagami - A gente só estava brincando. Deixa de ser esquentado Yamato...

- Não consigo manter a calma e brincar depois do que eu acidentalmente ouvi! - e eis que o loiro não consegue mais segurar e confessa.

Os dois cabeludos entreolharam-se, em seguida fitam o outro ali e perguntam em coro:

- Ouviu o quê?! - ambos piscaram, confusos.

- A Mimi-chan... - Yamato ficou com a face avermelhada, com isso desviou o olhar para o céu - Ela confessou para a Sora que gostava de mim... E que ela ainda gosta.

A dupla senpai-kouhai ficou incrédula. Queriam comentar ou evitar fazer qualquer piadinha... Mas foi um silêncio mortífero. Ambos sabiam que a Tachikawa tinha coragem de sobra pra falar com sinceridade sobre ela mesma, sobre seus gostos ou sobre a opinião de alguma pessoa/digimon/etc.

Mimi esconder algo do tipo era... Meio difícil de se imaginar.

- A Mimi?! - exclamou Taichi - Tem certeza que ouviu bem?!

- A Mimi-san...?! - E o Dai ficou meio perdido, só repetindo - A Mimi-san?!

- Foi ela quem falou - confirmou o loiro tsundere - E eu não sei...

A dupla desgrudou-se do portão e aproximaram muito mais de Yamato, deixando-o mais corado e irritado.

- E por que está tão nervoso?? - perguntou um Taichi “inocente” (observem as aspas.) - Ela gosta de você, e daí?

- Yamato-san... - Daisuke deu um sorrisinho - Você gosta da Mimi-san, né?? - aquele sorrizinho BEM sacana mesmo.

- O que raios vocês estão pensando, seus cabeludos encrenqueiros?! - vociferou um lonewolf mais vermelho que um tomate - Eu não ligo se ela gosta ou não, quem é que liga pra uma menina irritante como ela?!

Um dueto de risinhos saiu daqueles cabeludos, Yamato ficou uma fera, mais invocado que antes. Depois levou uma flechada daqueles dois pares de olhos castanhos, com aquele mesmo sorrisinho. A versão miniatura do Escolhido da Coragem riu outra vez.

- O que tem de engraçado nisso?! - berrou o loiro.

- Yamato... - Taichi riu numa voz baixa - Você também gosta da Mimi.

- M-mentira! - gaguejou este.

- Sua reação desmente isso - e, no mesmo tom do Yagami, Daisuke provocou o Escolhido da Amizade.

- M-mas...!! - Yama ficou mais vermelho, parecendo um vulcão em erupção.

O duo afastou-se e ficaram de costas pro loiro. Prosseguiram a senhora trollagem. Yamato esqueceu que, quando Taichi está com Daisuke, as coisas podem de ruim evoluir para pior.

Eram o “encosto” dele. Desde o dia que Taichi encontrou uma versão miniatura dele, aqueles dois só aprontaram juntos. Talvez tivesse tido ir falar com Takeru, Koushirou ou com Ken.

- Então o loiro descobriu que a princesa gosta dele huh? - Tai falou alto, com o intuito de provocar ainda mais o amigo.

- Sem dúvidas, elementar Yagami - zuou Dai, no mesmo tom de voz que seu senpai.

- Vocês estão doidos para levar uns socos na cara, não é mesmo?? Yamato estralou os punhos, tomado de raiva já - Estava prometendo dar um em você Daisuke, faz um bom tempo já...

- Não presta bater em alguém com óculos! - Daisuke imediatamente colocou as goggles no rosto.

- E pra quê a violência, Yamato...? - aquele sorrisinho sem-vergonha bortou na cara de Taichi - Não acha estranho não? Você ouviu a Mimi dizer que gosta de você e... Você está sentindo-se incomodado com isso. Isso não é amor?

Aquela não deu pra Yama rebater, pois era justo isso que temia: Estar apaixonado pela Tachikawa desde muito tempo atrás. Pra Taichi isso soava tão “normal” e óbvio que, ele ficou meio chateado com o amigo ali por ter terminado com a ruiva, mas por um lado sentia uma estranha “oportunidade” pra ele. Mas isso não era confirmado, e digamos que depois de “aceitar” ter perdido pro amigo-rival, o cabeludo resolveu deixar namoricos de lado por um tempo indeterminado. Diga-se o mesmo do kouhai, depois de ter tentado namorar Hikari e, mesmo com a “aprovação” de Tai, não conseguiu uma chance com a mocinha.

Ou seja: Ambos líderes estavam levando à solteirice de boa, sem problemas amorosos... Aproveitando a vida.

(e azucrinando a vida dos que atualmente pareciam estar namorando ou apaixonados)
(... Na verdade, apenas tirando uma do Escolhido da Amizade)

- Dear - Daisuke falou ao Yamato em um tom sexy - Se não tentar, como vai saber se ela é ou não a dona do seu coração louro e sensual? - ele riu - Love hurts, but y’know, feeling love is so good.

- Acho que a ditatura maternal tá fazendo o Daisuke melhorar o inglês - brincou Taichi, de novo.

- Baby. - E o outro devolveu-lhe no mesmo tom, com uma piscadela - I’m fabulous, and y’know it.

- Querem parar de tirar sarro da minha cara, ao menos UMA VEZ?! - berrou a terceira pessoa desta conversa, mostrando-se impaciente e farto daquele dueto de palhaços.

- Ok... Então sejamos sinceros e sérios - respondeu-lhe o líder - Sente algo pela Mimi também?

- … Eu não sei - Yamato recuou um pouco, corou mais uma vez e encolheu a cabeça e desviou o olhar para a calçada. Os outros dois rapazes ficaram calados, apenas analisando e esperando resposta.

- Eu acho que isso é um sim - comentou Dai, aproximando-se do outro senpai - Yamato-san, não quero que pense que isso é zuação minha, mas está na sua face de que sente algo pela Mimi-san também. - Yamato franziu o nariz ao ouvir aquilo - Não reparou ainda...?? - E o Motomiya perguntou-o.

- Olha... Por que não... Dá uma chance pra ela? - sugeriu Taichi - Ao menos dê uma saída e passe um tempo com a Mimi enquanto ela está nos visitando. Se não fizer isso, talvez doa mais quando ela voltar.

- Mas... - Yama começou a frase, mas foi interrompido.

- Ah! A gente pode te ajudar! - sorriu o goggle boy - Ne, senpai?? - Dai virou-se para atrás e...

- N-Não... - Yama engoliu a seco - melhor vocês ficarem aqui e...

- Ué? - o cabeludo devolveu o sorriso - Se ele não se importar...

- C-claro que me importo eu--

- Yamato-san, você precisa de coragem pra fazer isso - os olhos determinados de Daisuke intimidaram o Ishida até na alma - E nós iremos te apoiar até o fim, Yamato-senpai! - aquelas bolinhas castanhadas eram envolvidas em chamas poderosas e determinadas - GANBARE!!

Yamato escapou pelos cantos do portão, indo para a parede. O kouhai de Taichi ficou ali, naquela pose de herói determinado e destemido, enquanto os veteranos ficaram a encarar a tal cena.

- Acho que a batida o deixou fora do normal - sussurrou o loiro ao outro.

- Você acha?! - Devolveu este, com um tom de indignação - Está com todo jeito que os neurônios dele ficaram mais desorganizados do que antes!





- Mimi, você recebeu uma... Carta??

A Tachikawa resolveu passar as férias com Sora. Por isso ela estava ali, hospedada na morada dos Takenouchi. Passava os dias a falar com os amigos de Odaiba e a trocar fofocas com a escolhida ruiva. Outras vezes ia passar uns dias com Miyako, outros com Hikari. havia momentos em que todas as quatro moças do grupo se juntavam para fazem atividades em grupo, como ir ao shopping ou ao cinema.

Mas, naquele dia... Sora encontrou uma carta na porta de sua casa, depois de ter ouvido a campainha tocar. Abriu-a e só encontrou o tal envelope branco com um nome escrito nela -- Tachikawa Mimi.

A Escolhida do Amor procurou pelo remetente, mas nada. Estava ali só o nome do destinatário, mas de quem enviou ficou um senhor mistério. Sora fechou a porta e uma silhueta espiou pelo corredor, com muita cautela para não ser pego e aí causar uma confusão. E quem era aquele ser que deixou a mensagem ali e zarpou após tocar a campainha??

Mimi lavantou-se do sofá, onde estava a assistir um dorama na televisão dos Takenouchi. Era isso que as duas mocinhas estavam fazendo quando tal carta apareceu “misteriosamente”. Mimi olhou para o envelope e abriu-o com cuidado, para não danificar a carta. Sora aproximou-se mais, para ler o que estava escrito também.

As duas acabaram por ler... Uma carta de amor, de um “admirador secreto”. Um rapido olhar foi trocado entre as escolhidas, que começaram a pensar em quem poderia ter enviado aquilo.

Taichi? Koushirou? Jyou? Daisuke? Takeru? Bem, esses eram mais os nomes que pipocavam em suas mentes. Pelo simples fato das relações que estes tinham com Mimi. Ela se dava bem com estes rapazes e vice-versa. Como o admirador havia escrito a carta no computador e a imprimiu, elas não faziam idéia de qual deles poderia ser o remetente.

- Será que foi o... Koushirou-kun? - elas perguntaram uma para a outra.

- Talvez, ele está sempre no portátil ou no computador - ponderou a Takenouchi.

- Mas... Se fosse, não seria estranho ele não enviar por e-mail? - indagou a outra - Ele poderia ter criado um e-mail falso para mandar a carta... isso teria mais sentido.

- E ele não escreve assim... - Sora analisou de novo a mensagem - Então só pode ser outra pessoa.

- Quem...? - Mimi olhou outra vez a carta também - Uh, Koushishou-kun não usa “ore”...

- Nem o Takeru-kun ou o Jyou-senpai... - descartou a ruiva - Então só resta...

- … Taichi-san e Daisuke-kun...? - Mimi ficou extremamente confusa e perdida.

Já a reação da Sora foi OUTRA. Aquela expressão de curiosa e confusa passou a uma que podia ser traduzida como “Taichi seu idiota, o que está aprontando desta vez?!”.

A amiga percebeu esse olhar mortífero, mas não conseguiu evitar que a ruiva pegasse o telefone e discasse para a casa de seu amigo. Se era ciúme ou aquela sensação que estavam querendo pregar uma peça na Tachikawa não se sabia direito.

O telefone tocou, tocou... E nada. Ninguém estava em casa? Ou, já prevendo aquilo, o Yagami tenha tirado o telefone do gancho (e a conta do telefone ia vir alta...), fazendo com que Sora não conseguisse descobrir onde raios ele estava. Ela só tinha duas opções agora: Ligar para o Yamato e perguntar se ele sabe aonde Taichi tinha ido, ou o mesmo, só que para Daisuke ou Koushirou.

- Sora-san? - Mimi foi até ela - N-Não precisa se preocupar com isso...! Acho que foi um engano... Tem como o Daisuke-kun me enviar uma carta? Ele gosta da Hikari-chan, não?

- Então foi aquele idiota do Taichi - praguejou ela (nota: essa foi a segunda vez nesta fic que Sora o chama de idiota), com um olhar feroz pro telefone - O que ele está pensando?!

- Não se estresse, Sora-san! - A mais nova tentou acalmá-la - Talvez consiga falar com ele usando o D-terminal.

- Ele não vai responder se eu mandar uma mensagem - resmungou - A não sei que você envie, Mimi-chan! Assim descobriremos por que ele enviou essa carta!

- Mas... E se for outra pessoa que nem sabemos? Pode ser o Taichi-san, mas pode ser outra pessoa também.

- Conheço aquele jeito dele escrever! É óbvio que foi ele! - rosnou, amuada - Aquele idiota!

- Não fique nervosa! - Mimi correu para o quarto, pegou o terminal e voltou - Vamos tirar nossas dúvidas. Acho que o Taichi-san não sai de casa sem o terminal, pois pode aparecer alguma emergência na Digital World, não é?

- Sim... - respondeu a outra moça, com um tom amuado - Ele sempre anda com aquilo no bolso.

Mas a Tachikawa estava meio intimidada com aquele olhar de cão de guarda da mais velha... Fez ela mandar a reply pra OUTRA pessoa, cujo estava ali pertinho do nome do Yagami.

Eis que um “beep” ecoa pelo corredor. Os ouvidos aguçados de Sora (wait, ela tem?), ouviram aquilo lá na rua, abriu a porta e saiu atrás. Mimi, sem entender nada, seguiu-a. Alguns segundos depois, perto dos elevadores, via uma ruiva a parar diante de um “certo alguém”. Ela estava de braços cruzados e a bater o pé no chão. A Escolhida da Pureza olhou e...

- DAISUKE-KUN.

Sora estava diante do “aprendiz do cabeludo”. E este a suar frio com aquela Sora a envenená-lo com aqueles olhos cor-de-mel. Ele engoliu a seco, sendo quase prensado na parede pela escolhida mais velha.

- S-Sora-san! - Ele sorriu, meio trêmulo - Que coincidência n-não...?? - ele tentou disfarçar.

- Sem essa, Daisuke-kun! - ela usou aquela voz forte, a mesma que usa pra dar sermões no loiro e no Taichi - O que estava fazendo aqui? E o que o Taichi está aprontando, hein?!

- Senpai?! - e ficava mais difícil despistar - Ore... E-eu eu não sei! Nem falei com ele hoje--

- Mas ontem falou, não foi?! - continuou interrogando-o sem piedade.

- Eu nem saí de casa ontem! Estou sob a ditadura maternal, mal posso sair de casa, a não ser para treinar! Minha mãe me deu uma folga hoje, já que estudei o bastante por três semanas!

- Sora-san... - Mimi interveio - O que está acontecendo...?

- Mimi-san! - o goggle boy sorriu.

- Daisuke-kun, foi você...? - perguntou ela - Foi você quem deixou aquela carta na porta...?

Oops, ele não devia ter falado com ela. Agora tinha um doce olhar pedindo que falasse a verdade, enquanto a Sora parecia querer arrancar o coro dele para saber os motivos do Yagami mandar uma mensagem de amor para a Mimi.

- Que carta? - mas ele não ia dizer nada.

- Dai-su-ke. - rangeu Sora - Você sabe de algo, não sabe?! É coisa daquele idiota do Taichi, não é?! Ele está pensando que pode brincar com os sentimentos da Mimi-chan mas--

- … Ele não fez nada de errado - subitamente aquele ar de atrapalhado e receoso passou e o Motomiya ficou sério - Sora-san, o Taichi-san não fez NADA de errado.

- Então foi ele mesmo?! - exclamaram elas, atônitas.

Dai suspirou, sabia que devia ter saído do prédio, mas ficou conversando com a Miyako através do D-terminal e ficou por ali. Agora, só restava ser sincero e estragar de vez tudo.

- É, ele escreveu aquilo, e eu coloquei na porta - o goggle boy olhou para a Takenouchi, que parecia já querer ir tirar satisfações com Taichi - MAS...

E aquele “mas” dele as deixou na expectativa. Tinha algo A MAIS do que aquilo...?

- Não foi ele. Digo, ele quem escreveu, mas para outra pessoa. E você sabe, amigos pagam cada uma para ajudar os outros... - ele deu um pequeno riso, e continuou com aquele tom misterioso - Ok, nós dois somos cúmplices do verdadeiro autor dessa mensagem... Mas nós só queríamos ajudar o admirador secreto da Mimi-san.

- De quem você está falando...?? - perguntaram as duas.

- Não leram toda a carta? - bufou ele - A pessoa estará esperando pela Mimi no parque... Un, acho que ele já está lá. Ele estava com o senpai algumas horas atrás.

- Quem é?? - perguntou Mimi - Por favor não me deixe curiosa.

- Então vá até lá! - Dai sorriu de novo - Vá!

Mimi não pensou nem duas vezes, deixou-os lá e saiu em direção do parque. Com aquilo, o Motomiya pegou o terminal e... Sora viu. Ele mandou uma mensagem para o senpai dele, e isso a fez ter uma outra idéia. Se ela leu bem, tinha a ver com um “plano”. A ruiva pensou em fazer algo, mas o menino ali segurou-a pelo braço.

- Sora-san, por favor - Daisuke pediu a ela - Não vá atrás da Mimi-san, isso não é uma pegadinha.

- Não?? - a Escolhida do Amor virou-se para o mais novo - Então o que é??

Ele hesitou em falar, pois naquele combinado foi dito que nenhum dos dois iria contar que Yamato ouviu a conversa das duas veteranas. Só que isso estava implicando num provável mal-entendido entre ela e “alguém”.

Não tinha como “cumprir” o trato, então fez de novo e desobedeceu as regras:

- Não foi o Taichi-san quem mandou aquilo. Foi outra “pessoa”, que ouviu acidentalmente a conversa de vocês no parque... E aí veio procurar uma resposta para uma estranha sensação que estava sentindo... Ah, mas a única coisa que o Taichi-san fez foi escrever aquilo por esta “pessoa”, Sora-san!

Ele podia não ter dito o nome, mas a escolhida “entendeu” quem poderia ter sido. Ela o viu no parque, ao lado do Yagami. Também percebeu que os dois tiveram uma briga, e Taichi o deixou lá, sentado. Mas, depois... não o viu mais por ali.

- Ah... Essa “pessoa”...? - ela riu. E essa ingenuidade do Motomiya não o fez perceber que tinha dado dicas demais ao tentar safar a pele do seu senpai.





Enquanto isso, o loiro e o cabeludo estavam no mesmo bendito banco em que estavam antes, uns dias atrás. Ao lado dele, um Yamato totalmente produzido e chique. E o Taichi... Bem, o encontro não era com ele, então pra quê ir todo chic?

- Ok, ela está vindo - riu o Yagami - Parece que deu tudo certo.

- Ao menos uma vez... Um de seus planos funcionaram - Yamato comentou aquilo consigo mesmo, em um tom de resmungo.

- Sempre funcionam - retrucou o outro - O que não faço pra te ajudar, huh?

- Eu não pedi ajuda - Yama encarou-o - Mas, de qualquer forma, se isto der certo, prometo que não vou socar você e o destrambelhado do teu kouhai.

- Ok, romeu, faça tua parte - disse o outro, ao perceber a Tachikawa se aproximando dali. Lavantou-se num pulo do banco - Não perca a chance. - virou-se para at´raas, picou o olho para o Ishida e saiu correndo para que a garota não o notasse ali.

- Onde é que eu fui me meter?! - suspirou o nosso galã superstar, nervoso com o que acabaria acontecendo.

Mimi aproximou-se dali, vendo aquele de quem ela e Sora conversavam dias atrás. Parecia tudo muito estranho, como um sonho... O admirador secreto, que pediu pro Taichi escrever uma carta por ele e ser entregue pelo Daisuke na porta da casa dos Takenouchi era...

- Yamato-san?

A voz doce e delicada dela, com aquele agudo femino e tom interrogativo o fez reparar que ela estava bem diferente do que ela era anos atrás. Claro, Mimi sempre foi bonita, mas a forma como ela agia na DW o deixava irritado. Achava que ela era uma garota mimada demais, que reclamava mais do que os ajudava. Mas aquela impressão inicial foi-se com o tempo, quando ela, dentro da própria DW naquele mesmo ano, mostrou ser uma menina forte e destemida, pura e sincera.

E agora... Ela estava mais longe deles, dele até. Mesmo assim continuava a sentir algo, e só não disse antes por querer manter os seus laços. Logo Mimi guardou aquilo por se importar mais com a amizade que ela tinha (e tem) com Sora e com ele também.

- M-Mimi-chan...?

O tsundere loiro gaguejou, totalmente corado. Mimi sempre andava bem vestida, mesmo que não tivesse uma ocasião especial. Era algo que a fazia ser um destaque daquele ambiente. O cabelo dela, na cor original e com apenas as pontas em rosa deixavam um visual mais misto, da Mimi antiga e com a nova. E aquele simples vestido de verão realçava mais a beleza da escolhida.

- Foi você quem mandou o... Taichi-san escrever aquela carta que o Daisuke-kun deixou na porta da casa da Sora-san...? - ela ainda conseguia acreditar. Mas queria ignorar respostas e crer que era sim real e não um sonho.

- C-Carta... - ele murmurou, corando mais e mais - … - até que se lembrou do estúpido plano daquela dupla e o que deveria dizer quando ela o perguntasse - Sim... F-Fui eu.

Ambos ficaram mais vermelhos do que nunca. O loiro não fazia idéia do que fazer agora. Maldito plano mal-elaborado, aqueles cupidos só ajudaram naquele climax, mas e o resto?? Improviso??

Mas ela nem sabia bem que era um plano, só de que aquela dupla encrenqueira estava ajudando um amigo. Mimi sorriu e aproximou-se mais, estendeu-lhe a mão e lhe perguntou:

- Yamato-san, vamos tomar um sorvete...? Esse calor é perfeito para ir á uma sorveteria, não...?

Oh... Parece que nem era preciso mais. Era só ir improvisando no que fazer e não perder a chance, claro.

Yama acenou com a cabeça, dando um pequeno sorriso, com muita timidez. Lavantou-se dali e saiu com a Tachikawa, de mãos dadas.


(... depois ele soca a dupla senpai-kouhai caso aquilo não desse certo.)

~♥

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Presentch de niver da Mimi-san

Mensagem por Mimi-chaann em Dom Maio 05, 2013 11:44 am

Eu disse no dia do meu aniversário que adorei a fic, né? Tava relendo ela e é tãaaaaoooo legal! Mimato é sempreeeee tãoooo legal! Bem que tu podias fazer um novo capítulo, Nina!

\õ/
avatar
Mimi-chaann
Moderadores
Moderadores

Comportamento : 100%
Feminino Mensagens : 1488
Data de inscrição : 02/08/2011
Idade : 28

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum